Juliana de Lacerda Camargo: “Rir ainda é um dos melhores remédios”

Ao rir de mim mesmo, aumento minhas chances de pensar com clareza, tomar decisões e resolver problemas

Assisti um filme com Ryan Reynolds e Samuel L. Jackson em que o personagem de Ryan tinha de proteger o de Samuel, que era um assassino e tinha na carteira mais de 250 mortes, mas era também uma testemunha muito importante para o julgamento de um líder perante a ONU.

Pra mim um dos aspectos mais divertidos do filme foi a capacidade do personagem de Samuel de rir das coisas que davam errado, além de rir de si mesmo. Inclusive o tal líder sob julgamento tenta apelar para sua consciência e trazer-lhe culpa num determinado momento e ele abre uma gargalhada que contamina toda a plateia. E as coisas pra ele geralmente dão certo no filme até o final…

Apesar de ser um filme fictício, ele se baseia num princípio antigo e muito verdadeiro: sim, rir é um excelente remédio… e rir de si mesmo pode ser ainda mais poderoso.

John B. Arden, PhD, nos ensina que a risada (especialmente de si mesmo) traz benefícios ao próprio funcionamento de nosso cérebro. Em seu livro Rewire your Brain, ele nos elenca alguns desses benefícios (com grifos meus):

  • Melhora a função cognitiva (de aprendizado).
  • Exercita e relaxa os músculos.
  • Aumenta por algum tempo a batida cardíaca e pressão sanguínea (como quando nos exercitamos).
  • Diminui os níveis de cortisol (conhecido como o hormônio do estresse).
  • Melhora o sistema imunológico.
  • Estimula a dopamina (neurotransmissor envolvido no controle de movimentos, atenção, aprendizado, humor, emoções, cognição e memória).
  • Aumenta a longevidade.

Psicologicamente falando, os benefícios que Arden traz são:

  • Redução do nível de ansiedade.
  • Redução do nível de estresse.
  • Redução da depressão.
  • Aumento da autoestima.
  • Aumento da energia e esperança.
  • Aumento do senso de ‘empoderamento’.

Ou seja, ao rir, e principalmente ao rir de mim mesmo, aumento minhas chances de pensar com clareza, tomar decisões e resolver problemas, sem contar que o faço com saúde e energia, aumentando meu bem-estar geral.

Quantas vezes você se culpa por ter errado, pisado na bola, deixado passar alguma coisa? E qual é o efeito da preocupação? Você se sente mais energizado, mais cheio de ideias? Geralmente não…

Claro que um certo nível de estresse é até importante para que mantenhamos o foco e não nos tornemos desatentos e despreparados, mas ao rir de si mesmo e ao levar menos a sério o que fez, você aumenta as chances de ser bem-sucedido nos próximos passos envolvidos com a questão – seja ela qual for… isso sem contar que será bem mais divertido estar a seu lado!

Agora é hora de fazer aquela autoanálise e perceber quanto você tem se permitido rir de si mesmo e começar a testar esse poderoso remédio para atingir não somente novos níveis de satisfação na vida, mas mesmo de produtividade e eficácia.

Tente! Vai valer a pena.

É isso aí.

 

Compartilhe
Leia mais de Juliana de Lacerda Camargo

Pensar positivo: a ciência por trás do mito

Pensar positivo é uma forma de trabalhar de maneira inteligente com seu...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *