Wilson Medeiros: “Miopia estratégica: saiba o que significa no mundo corporativo”

Nada mais traiçoeiro na vida pessoal e empresarial do que não enxergar nitidamente o que está acontecendo

Miopia estratégica. O termo ganhou até definição na popular Wikipedia: “quando a empresa não enxerga com nitidez o que está longe, mas vê muito bem o que está perto”. Em tempos de urgência, é o caso de muitos profissionais que fixam o olhar apenas no presente, no dia-a-dia, no operacional. Da mesma forma que costumamos ir ao oftalmologista, para conferir a visão de perto e de longe, a prática é recomendável às empresas que vêm cometendo o pecado do imediatismo. 

 O que seria vida sem planos, sem visão de futuro? O horizonte, na metáfora corporativa, pode ser traduzido como o mundo exterior, a quem chamamos de clientes, mercado, concorrentes. Muitas empresas, por conta da urgência em resolver os problemas gerados pela crise, vêm se afastando de seu plano estratégico e até mesmo do seu propósito. Aquela história de “enxergar longe”, assim, perde pontos para a visão de curto prazo que, obviamente, também leva a soluções que de vida breve.  

É preciso ver além do horizonte e ampliar o panorama. Por exemplo, há quem corte investimentos  em áreas de vendas e comunicação,  comprometendo a preservação de suas marcas depois que a crise passar. Conciliar gestão operacional e visão estratégica, portanto, é o desafio desse momento em que se  “vende o almoço para pagar o jantar”. 

Assim como na medicina, podemos adiantar o diagnóstico para casos de negligência: você poderá ser acometido de cegueira progressiva diante de seu maior patrimônio: a necessidade dos seus clientes e a forma como deveria enxergá-lo ou percebê-lo. Aqui, cabe um parêntese, também, quando associamos a negligência a nossa vida pessoal, diante de dificuldade em visualizar a vida em sua plenitude –o que pode  limitar possibilidades de superação, crescimento e desenvolvimento, em todas as dimensões.

Recomendações de alguns especialistas para ajustar o foco:

1. Jogue luz no contexto e refletir sobre os vários caminhos a tomar: a curto e a longo prazo, para evitar visão distorcida da realidade

2. Tenha em mente  que sua empresa não está vendendo um produto ou serviço, mas algo que atenda aos desejos e necessidades que levam o cliente a uma experiência de compra.

3. Corrija a visão para ver o mercado com outros olhos.  

Lembrando da famosa máxima de Fernando Pessoa, “navegar é preciso”,  quero observar que, como todo bom poeta, ela foi sutil ao nos sugerir algo mais profundo: quem navega precisa saber o que está fazendo, ter precisão. Ao trazemos essa ideia para a jornada dos negócios, assim como na vida, a precisão é de vital importância. E não há como ser preciso sem ter uma boa visão. 

Leia também: “Procura-se profissional multicultural”. 

Não se trata de negar a dura realidade e fazer os ajustes necessários diante das crises, em nome da sobrevivência. Mas é preciso uma boa dose de atitude para fazer escolhas estratégicas e abrir espaço para oportunidades, até então, “invisíveis”. 

Portanto, ajuste as lentes, procure ver além do horizonte e promova seu salto transformador alinhado com aquilo que de fato precisa ser feito –hoje, mas de olho no futuro. 


Gostou? Leia mais na coluna de Wilson Medeiros. 

Compartilhe
Escrito por
Leia mais de Wilson Medeiros

Wilson Medeiros: “Core business: estratégia e realidade”

Estabelecer a disciplina de execução do core é a atividade mais importante...
Read More

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *