A sociedade do aqui e agora

O modo como a sociedade tem caminhado durante as últimas décadas, no entanto, levou ao surgimento de problemas de proporções monumentais

Números, prazos, lucro. São essas as palavras que regem a vida contemporânea, a relação entre o homem e a natureza e a forma como o indivíduo convive em sociedade. Assim, o pensamento imediatista prevalece, em detrimento da consciência do coletivo, uma vez que a maioria dos grupos sociais vive sob o ideário capitalista, de acordo com o qual o essencial consiste na obtenção de lucro aqui, agora e para uso próprio.

No momento vivido atualmente pela maior parte das sociedades, tem-se observado uma presença cada vez mais intensa do que chamamos de individualismo. O ser humano tem voltado sua atenção a si mesmo e dado maior importância aos próprios interesses. Em uma esfera global, pode-se dizer que, da mesma forma, os Estados nacionais passaram, já há algum tempo, a colocar as próprias necessidades acima das consequências a longo prazo. Para atender ao modelo econômico sob o qual vivemos, tanto cidadãos quanto governos diversos optaram, há muitas décadas, por trilhar seus caminhos olhando para o progresso em si, e não para os resultados gerados a longo prazo.

O modo como a sociedade tem caminhado durante as últimas décadas, no entanto, levou ao surgimento de problemas de proporções monumentais. Os danos causados à natureza, por exemplo, fruto desse modo imediatista de se pensar, já são irreversíveis em muitos casos, e essa situação incentivou uma espécie de altruísmo retardado. As sociedades tentam, como uma última medida a ser tomada, reparar os danos causados durante todo o período em que se fez uso descontrolado dos recursos disponíveis. Entretanto, pode-se dizer que, de certa forma, trata-se de um falso altruísmo, uma vez que a preocupação com o próximo e com o futuro surgiu apenas no momento em que a própria sociedade atual se viu ameaçada por seus atos.

Conclui-se, portanto, que, no mundo contemporâneo, o altruísmo instintivo e natural deu lugar ao individualismo e, posteriormente, a um sentimento de necessidade de reparo dos prejuízos, porém visando ao benefício próprio. Talvez seja graças a raros casos de altruísmo legítimo (instituições de caridade, organizações não-governamentais que lutam por determinados objetivos em prol da coletividade, etc.) que a sociedade contemporânea e o sistema que a rege ainda não tenham entrado em colapso. Em um tempo em que o culto a si próprio e a satisfação de interesses individuais ou de minorias reinam, as chances de que haja quem desfrute das conquistas atuais são mínimas. Mas começamos a nos importar tarde demais.

Estudante de Publicidade que poderia passar a vida inteira lendo e dançando.
Acredita que não há nada que não possa ser resolvido com uma música do Coldplay
e acha que sorvete foi a melhor invenção até agora. Escreve e desenha por que não gosta de folhas em branco.

Compartilhe
Escrito por
Leia mais de vero

Pesquisa: Quem usa o transporte público em Alphaville?

Por meio de uma pesquisa, a VERO consultou 200 leitores moradores da...
Read More

COMENTÁRIOS

  • Wayne Rooney’s one concession to the celebration of his 100th cap will be to lead out the England team with his sons Kai and Klay and, all being well, it will happen at Wembley next month. Wayne Rooney aims for 100-cap party at Wembley with Manchester United star set to become youngest England player to hit century by nearly three years

    https://bit.ly/2JCArSc

  • On the surface, a draw in Warsaw is good news. Yet, for England manager Roy Hodgson, the problem is this: England can no longer be guaranteed to win at home. Beware travel sickness! Hodgson must avoid slip-ups on the road – now that Wembley is no longer a fortress

    https://bit.ly/2S3sXus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *