Bob Wollheim: Pela primeira vez, o país parece querer se passar a limpo

Para o colunista da VERO, talvez, a Lava Jato não seria possível se não fosse pela tecnologia

Muito se fala do momento que vivemos. Algo raro, único, até. Pela primeira vez, o país parece querer se passar a limpo, se reinventar e repensar tudo, desde os primeiros dias depois que Cabral aportou por aqui. É Lava Jato no país!

Tenho refletido sobre o que mudou, o que foi que Lula e Cia não perceberam que havia mudado, e por que na realidade não dava mais pra fazer o que “sempre se fez nesse país”. Minha conclusão é simples: a tecnologia. É isso que mudou e está mudando o mundo.

Em primeiro lugar, tudo é “trackable”, ou seja, a conta na Suíça que é um trust em nome do poodle do amigo do tio do capanga, é encontrável em questão de segundos. Simples. Imagina isso nos tempos em que se fez Itaipu, por exemplo, uma das obras mais monumentais do planeta, que, dizem, encheu o bolso de muita gente. Como descobrir a treta naquela época? Hoje? Tudo em segundos!

Em segundo lugar, a tecnologia mudou a mídia. Hoje não se forma mais opinião via TV e jornais. Mudou tudo. A opinião circula livremente no mar de conteúdo que são as redes sociais, mais acentuadamente o Facebook. E a TV, mesmo a Globo, e todos nós, cidadãos, com poucos ou muitos amigos, ajudamos a criar um enorme caldo de conteúdo que flui constantemente, sendo replicado, modificado, remixado, inventado, mentido, etc. etc. Sem dominação, sem a possibilidade de controle. O caos da internet se aplica hoje ao conteúdo, deixando tudo confuso, rápido e sem controle.

E, em terceiro lugar, o mundo do vídeo online, que nos coloca cara a cara com nosso país. Seja quando navegamos pelo YouTube e nos vemos refletidos como povo, com toda a sua pobreza, simplicidade e criatividade, seja quando vemos os depoimentos gravados dos delatores da Lava Jato. Ver – e não ler num jornal – o todo-poderoso Emílio Odebrecht dizendo que isso se faz há 30 anos e que todos sabiam, os juízes (ele frisa que se refere aos mais velhos), a imprensa, os políticos e todos nós, é de um poder nunca antes experimentado. Ouvir a Dilma e o Lula conversando sobre o Bessias é de um didatismo fortíssimo. Como aconteceria isso uns dez anos atrás? Talvez uns trechos dos depoimentos no Jornal Nacional e trechos nos jornais e na Veja. Incomparável em termos de impacto e de poder de formar opinião!

Uma Lava Jato talvez nem fosse possível em outros tempos e, certamente, não teria o impacto moral e de fazer o país se repensar, não fosse pela tecnologia. Graças a um mundo “trackable”, às novas mídias e ao vídeo online, quem sabe, a gente finalmente tenha a chance de criar um país do presente, deixar para nossos filhos algo melhor do que recebemos dos nossos pais.

Espero, sinceramente, que assim seja. It’s the technology, stupid.

Compartilhe
Escrito por
Leia mais de Bob Wollheim

Bob Wollheim: “Nosso imobilismo, como se explica?”

Alguns pensam que o velho “rouba mas segura o país” ainda deve...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *