Helio Contador: “A importância em termos um maior controle das emoções”

O autoconhecimento, que é uma fórmula milenar, continua sendo o melhor ponto de partida para uma vida mais equilibrada e emocionalmente sadia

No artigo anterior tivemos a oportunidade de falar um pouco da razão de ainda sermos seres tão primitivos, instintivos e emocionais, descrevendo as funções básicas do nosso cérebro segundo a proposta do neurocientista Paul MacLean. Ele sugere o fato de que nós, humanos/primatas, temos o cérebro dividido em três unidades funcionais diferentes, representando um extrato evolutivo do sistema nervoso dos vertebrados, sendo o Reptiliano (instintivo), o Límbico (emocional) e o Racional (funções executivas e sensações). Veja o artigo completo no link.

A partir desse ponto vamos usar o fato de que crises econômicas, desemprego ou empresas com quadros de funcionários mais enxutos, geram sobrecarga adicional de trabalho, acarretando assim mais pressão e mais estresse no ambiente profissional, que acaba se transmitindo para o lado pessoal nas vidas familiar e social.

Um dos objetivos desse artigo é reconhecer a importância em termos um maior controle das emoções de forma a melhorar nosso desempenho pessoal e profissional. Identificar e evitar os erros mais comuns que cometemos e aprender a usar as emoções a nosso favor.

Podemos definir a inteligência de muitas maneiras, mas gosto da definição do Dr. Howard Gardner (Harvard) que diz: “Inteligência é a capacidade para resolver problemas encontrados na vida real. A capacidade para gerar novos problemas a serem resolvidos e a capacidade para fazer algo ou oferecer um serviço que é valorizado em sua própria cultura”.

Nossa mente produz, ininterruptamente, pensamentos e emoções acionando nossa intelectualidade e nossa inteligência em tempo integral e é aí que entra a chamada inteligência emocional que, segundo Daniel Goleman no seu livro best seller Inteligência Emocional, é a “capacidade de se autoconhecer e lidar bem consigo mesmo e de conhecer e lidar bem com os outros, seja nas relações familiares, como sociais ou profissionais”.

Para gerenciar melhor nossas emoções o autor propõe cinco áreas de domínio:

  1. Conhecer as próprias emoções: é exercitar a autoconsciência (reconhecer um sentimento quando ele ocorre). Pessoas mais seguras acerca de seus próprios sentimentos são melhores pilotos de suas vidas, tanto no lado pessoal como profissional.
  2. Lidar com as próprias emoções: é a capacidade de livrar-se da ansiedade, tristeza ou irritabilidade que bloqueiam e incapacitam; quem não se auto gerencia luta constantemente contra sentimentos de desespero, ao contrário das pessoas que se recuperam mais rapidamente dos reveses e perturbações da vida.
  3. Motivar-se: ter o controle das emoções é essencial para a automotivação, o autocontrole e a criatividade. As pessoas que tem essa capacidade tendem a ser mais produtivas e eficazes em qualquer atividade que exerçam.
  4. Reconhecer a emoção nos outros: A empatia, que se desenvolve na autoconsciência emocional, é a aptidão pessoal fundamental. Pessoas empáticas são mais sintonizadas com os sinais do mundo externo que indicam o que os outros precisam ou querem.
  5. Lidar bem com os relacionamentos: é a arte de saber lidar com as emoções dos outros. Determinam a popularidade, a liderança e a eficiência interpessoal, ou seja, são pessoas que se dão bem em qualquer lugar.

Podemos também falar de uma multiplicidade de inteligências, ligadas às atividades musicais, espaciais, intra e interpessoal, linguística e outras mais.

Mas gostaria de usar a parte final desse artigo para citar algumas ações da autora Vera Martins, a quem tive o prazer de conhecer pessoalmente, quando falou do seu livro O Emocional Inteligente:

Seja protagonista e assuma as rédeas da sua vida, promovendo um diálogo interno corajoso e assertivo. Faça um checkup do seu emocional e saiba o que está bom e o que precisa ser mudado. Resolva seu passado para viver bem o presente e ter esperança no futuro, exercitando a gratidão e o perdão. Use a fé para neutralizar os efeitos do estresse e do medo; gerencie seus pensamentos negativos para ganhar em emoção positiva, criando uma rede do bem (empatia e reciprocidade).

O autoconhecimento, que é uma fórmula milenar, continua sendo o melhor ponto de partida para uma vida mais equilibrada e emocionalmente sadia.

Por tudo que vivi até agora, só posso reforçar o fato de que conheci muitas pessoas na minha vivência profissional e pessoal e, muitas delas, apesar de inteligentes e espertas, se tornavam burras e estúpidas por não saberem controlar suas emoções.

Para encerrar, gostaria de ficar com uma frase de Stephen Hawking: “Inteligência é a capacidade de se adaptar à mudança”.

E você, de que lado está? Até o próximo artigo…


Gostou? Leia mais artigos de Helio Contador aqui!

Compartilhe
Escrito por
Leia mais de Helio Contador

Helio Contador: “O cérebro sob comando do Smartphone”

O avanço tecnológico trouxe benefícios para o nosso dia a dia. Só...
Read More

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *