Juliana de Lacerda Camargo: “Não tenho tudo, mas tenho alguma coisa”

É incrível como as pessoas às vezes deixam até de se dar a chance de aproveitar oportunidades porque se sentem incapazes ou incompetentes

Há uns dias uma coachee trabalhava em sua autoconfiança.

Para contextualizar, essa pessoa é uma empreendedora na área de serviços. Segundo ela, sua vida era mais ou menos assim: ou sofria porque os negócios não aconteciam, ou sofria porque eles aconteciam, mas ela se preocupava demais em não dar conta de entregar o que prometeu.

Quantos de nós vivemos essa síndrome? Quantos de nós temos o medo de não entregar, não desempenhar, não “dar pra coisa”? E é curioso porque há uma oscilação muito comum nas pessoas: ou elas pensam ser mais, ou pensam ser menos. O pensamento geralmente é binário. Ou é, ou não é. Se não tenho tudo, então não tenho nada…

À medida que essa coachee avançava em seu pensamento, trouxe uma primeira reflexão: “Sou adulta. Passei por muitas coisas na vida. Tenho recursos; não sou totalmente desprovida…” E foi então que surgiu uma frase que gerou grande transformação: “É isso! Posso não ter todos os recursos; mas tenho recursos!”

As ações que se seguiram daí foram automáticas. Toda vez que ela se deparava com o sentimento de autodesconfiança, pensava que tinha recursos, talvez não todos, mas definitivamente não era totalmente incompetente ou incapaz para lidar com a situação. E com base nisso começou a se sentir melhor e se arriscar mais, sem tanto medo de “fazer feio”.

É incrível como as pessoas às vezes deixam até de se dar a chance de aproveitar oportunidades porque se sentem incapazes ou incompetentes. “Esse cargo? Não é para mim”; “Me chamaram pra discursar? Mas não vou saber falar em público”; “Ser o representante? Mas quem sou eu?”; “Eu?! Chama ele ou ela”…

Mas o que aconteceria se frases como a dessa coachee ecoassem pelas mentes das pessoas em geral? Ou frases alternativas como: “Posso não ter tudo, mas tenho algumas coisas”; “Posso não saber tudo, mas sei um pouco, ou o suficiente”; “Posso não saber fazer isso completamente, mas tenho alguma noção e posso desenvolver”?

Porque ter um pouco, ou ter alguma coisa, é muito melhor do que não ter nada. Não ter nada pra comer é diferente de ter algo pra comer. Não posso fazer pão sem farinha, mas posso fazer um pãozinho com um pouco… Não posso usar o computador sem energia, mas se tiver um pouco talvez dê pra começar algum trabalho que preciso entregar… Nada é diferente de um pouco… e o pouco muitas vezes é o necessário para se começar a caminhar…

Sabe, talvez esse pensamento possa se aplicar para mim mesma agora. Talvez eu não seja uma escritora experimentada; um C. S. Lewis ou uma Jane Austen da vida, mas eu conheço algumas coisas e tenho alguma experiência – aliás bastante. Tenho algumas coisas pra compartilhar com as pessoas… e certamente o pensamento dessa coachee me fez refletir. E, se fizer você pensar também, o pouco que tenho já valeu a pena.

É isso aí.

Compartilhe
Leia mais de Juliana de Lacerda Camargo

As quatro fases da liderança

Na quarta fase, o líder se torna alguém que forma líderes; que...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *