Luis Paulo Luppa: “Vai um apartamento aí?”

Eu, particularmente respeito muito aqueles que vivem de vendas, ou seja, vendeu ganha, não vendeu não ganha. Comissão na veia ou nada no bolso

Estamos em plena pandemia e o mercado imobiliário nunca esteve tão aquecido. As pessoas não querem mais viver em aglomerações, grandes centros e estão buscando cada vez mais qualidade de vida e com certeza isso começa com uma moradia exemplar.

Mas não é fácil agradar ao marido, a esposa e os filhos, é muito cliente, né? A solução é ter, pelo menos, um benefício para cada um e isso não é complicado. Mas depende e muito de quem está vendendo…

•Profissional de vendas

•Vendedor

•Tirador de pedidos

Eu, particularmente respeito  muito aqueles que vivem de vendas, ou seja, vendeu ganha, não vendeu não ganha. Comissão na veia ou nada no bolso. E, sempre que posso, enalteço a profissão de corretor de imóveis, não só porque já treinei milhares deles, mas como também eles representam essa classe do risco total em vendas.

Existem corretores riquíssimos e outros que passam o dia se lamentando. Vamos entender: feche os olhos e comece a se lembrar a última vez que um corretor lhe atendeu, quantas perguntas inteligentes ele fez? Ele ouviu mais ou falou demais?

Você pode ter se deparado com um corretor de imóveis ou um apresentador de imóveis. A diferença é bem grande, porque um acha que você é cego e o outro explora as oportunidades. O apresentador é aquele que começa assim: “…veja que prédio lindo, elevador moderno, repare o tamanho dessa sala, aqui nós temos um lavabo e desse lado duas suítes, a cozinha já tem exaustão e ainda tem um quarto para empregada”.

Muito bem, até agora ele não fez nada que a internet não teria feito bem melhor. Um corretor de imóveis profissional, antes de mais nada define o perfil do cliente: “Mora sozinho? Tem família? Pets? Trabalha aonde? Gosta do que? Valoriza área de lazer?”.

Uma vez definido isso, ele parte para o que chamamos em vendas de “tamanho do bolso”, ou seja, quanto que o cliente tem para investir, porque com esse dado você pode variar até 15% para cima ou para baixo, se sair disso estará fazendo o seu cliente perder tempo. Um profissional sabe explorar e valorizar o que realmente interessa ao comprador, ou seja, quais os reais benefícios do imóvel.

•Incidência de sol

•Varanda gourmet

•Local é perto do trabalho, logo

menos trânsito

•Segurança

•Lazer para a família

Enfim, parece simples vender imóveis, desde que você saiba que não está vendendo um monte de tijolo empilhado e, sim, um sonho ou uma real necessidade. O estoque é infinito e todos precisam de um teto para morar. Mas alguns continuarão cada vez mais ricos e outros buscando em quem colocar a culpa pelo seu fracasso em vendas. Aprenda com quem tem resultado!

Compartilhe
Escrito por
Leia mais de Luis Luppa

Luis Paulo Luppa: “Sua empresa tem líderes do bem?”

Quando uma pessoa tem espaço e autonomia para tomar decisões, ela está...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *