O crochê moderninho do amor

A moça na fila do raio-x do aeroporto dos Guararapes no seu crochê moderno, o crochezinho da nova era, digitando sem parar -já reparou…

A moça na fila do raio-x do aeroporto dos Guararapes no seu crochê moderno, o crochezinho da nova era, digitando sem parar -já reparou como os dedinhos lembram o gestual do ponto das antigas agulhas maternas?, só que nossas mães faziam sentadinhas no sofá e não trombavam no poste da esquina. Tricorzinho. Mas sem essa de comparações nostálgicas. O que vale é que a cada mensagem no celular, a moça faz uma cara de safadeza mais linda desse mundo. Multiplicadas feições do desejo de quem voaria para os braços do seu novo rapaz. (É deveras deselegante quando em uma turma -na mesa de bar ou restaurante-, alguém ou toda gente junta se joga no crochezinho e esquece a humanidade. Quanta deselegância e fraqueza d´alma).

Uma moça que caminha, desacompanhada, para pegar um avião rumo à felicidade, não. Não mesmo. Nada mais justo que esquentar o encontro com promessinhas calientes. Vale. Tente vê pelos olhos do cronista. Ela ri com maldade, ela respira fundo, ela aperta o celular brevemente sobre os peitos. Para completar, a moça usa calças vermelhas, como a espiã sexy Brigitte Montfort desenhada pelo Benício para os livrinhos de bolso da série ZZ7, pulp fiction imperdível das antigas. Opa, o raio-x apita, a luz negativa acende, mas não há sinal de proibido para o desejo que já corre mundo. Ela dá meia volta como se nada tivesse ocorrido.

Tira o casaco, no que se revelam tatuagens incríveis nos braços, uns braços, ave!, como naquele conto machadiano que li ainda na escola. Uns braços. Tira o sapato… que pezinho! Tira colar, pulseiras, cinto… O belo strip-tease aeroportuário. Apita mais ainda no raio-x. Meia-volta. O sorriso está mais safado ainda, meio Monalisa meio bocão-Jolie. Uma mulher em fogo, com um São João de Arcoverde por dentro, sempre apitará no raio-x. Todas as brasas das fogueiras juninas em um coração de uma só moça.

O certo é que depois de muitas tentativas, a moça seguiu no seu inabalável tricorzinho tecnológico para o avião. A cada mensagem, um gesto; encolhia a hipótese de barriguinha –toda mulher tem que ter no mínimo uma hipótese de barriguinha, como Vinícius dizia. Na sua poltrona 7D, imprensada entre dois homenzarrões, fez o crochezinho do amor e da safadeza até a aeromoça nervosa proibi-la. Decolagem. Fechou os olhos, apertou as mãos grudadas entre as pernas e dormiu entre as nuvens de algodão agridoce –como o tempero dos seus pratos prediletos.Logo mais estaremos no Galeão…

Esteira, mala etc, e a moça no crochezinho/tricorzinho irrefreável… Só levantou a cabeça ao cruzar a porta de saída e avistar o seu novo rapaz,  um barbudinho moderno, segurando desajeitadamente um maço de flores entre as pernas. Só assim conseguia digitar também o seu ponto-cruz do tesão inadiável no aparelho móvel. O beijo também foi desajeitado, coisas dos primeiros encontros… Os celulares se espatifaram em um  chão de estrelas, as flores lindamente amassadas entre os dois… Agora, torço, menos crochezinho e mais questão de pele, como falavam os sábios e velhos hippies. Afinal de contas, sempre vale repetir aqui o mantra greco-carioca do poeta Eduardo Cac: para curar um amor platônico, só uma trepada homérica.

Compartilhe
Escrito por
Leia mais de Xico Sá

O crochê moderninho do amor

A moça na fila do raio-x do aeroporto dos Guararapes no seu...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *