Ricardo Amorim: “Brasil: uma nova cultura empreendedora?”

Enquanto o número de empresas em atividade em Portugal caiu 1,3% ao ano, no Brasil, ele cresceu 5%

O Brasil foi contaminado por um surto de empreendedorismo. Nos últimos anos, com a crise econômica, milhões de brasileiros optaram por ter seus próprios negócios, movidos por necessidade ou por falta de alternativas. Mas o crescimento do empreendedorismo no país começou muito antes.

De acordo com a OCDE, de 2005 a 2014 – portanto antes da crise –, enquanto o número de empresas em atividade em Portugal caiu 1,3% ao ano e, na Espanha, 1%, nos EUA ele cresceu apenas 0,4%, e no Brasil o aumento foi de 5%. Só em 2018 cerca de 2,5 milhões de novas empresas devem ser abertas no país. Na OCDE, em média, 18% das empresas existentes foram criadas nos últimos dois anos; no Brasil, 35% delas têm menos de dois anos.

Considerando-se o ambiente de negócios desafiador a novas empresas que existe no Brasil, com muita burocracia, impostos elevados e alto custo de financiamento, esses dados surpreendem. Ocorreu uma mudança comportamental da população brasileira, que está reconfigurando o mercado de trabalho no país.

A criação de novas empresas neste ano deve ser maior do que a criação de novos empregos formais e informais, que deve ficar próxima de 2 milhões. Deles, dois de cada três novos empregos, 1,3 milhão no total, devem ser de novos empregadores, trabalhadores por conta própria e em micro e pequenas empresas.

No ano passado foi parecido. Enquanto o número de empregadores, funcionários por conta própria e trabalhadores sem carteira cresceu mais de 5%, o número de trabalhadores com carteira caiu 2%.

Por outro lado, se a vontade e coragem de empreender no Brasil cresceram, as ambições são, em geral, ainda muito baixas. De acordo com o Global Entrepreneurship Monitor, no Brasil só 4% dos empreendedores esperam criar seis ou mais empregos nos próximos cinco anos. No México 10% deles têm essa ambição; nos EUA, 34%; e na Romênia, 40%.

Para piorar, nosso empreendedorismo é pouco inovador. Só 12% dos empreendedores brasileiros oferecem um produto novo ou pouco comum a seus clientes, contra 18% dos mexicanos, 37% dos americanos e 41% dos canadenses.

Isso sugere que, no Brasil, muitos empreendem por falta de oportunidades em empresas grandes, que exigem mão de obra mais qualificada.

O crescimento do empreendedorismo no Brasil é uma boa notícia, mas a qualidade dos novos empreendimentos ainda precisa melhorar. Seria ótimo elegermos candidatos com projetos para qualificar a força de trabalho, que invistam mais em pesquisa e desenvolvimento, reduzam a burocracia, que aperfeiçoem a segurança jurídica e as leis de propriedade intelectual, de concorrência e falências, que reduzam a complexidade e a carga tributária e que facilitem o acesso a novos mercados. Aí, ninguém segura o Brasil.


Gostou? Leia mais artigos de Ricardo Amorim aqui. 

Compartilhe
Escrito por
Leia mais de Ricardo Amorim

Ricardo Amorim: “O Brasil não precisa da reforma da Previdência?”

Não há problema nenhum em ser contra a reforma da Previdência, mas...
Read More

COMENTÁRIOS

  • Written inside it were the names of young stars he helped nurture at Porto, Real Madrid, Inter Milan and twice at Chelsea. He was sufficiently armed to answer questions about their development. Manchester United fans feared for Marcus Rashford with Jose Mourinho’s reputation for not playing kids…but young star can prosper alongside Zlatan Ibrahimovic

    https://bit.ly/2JCArSc

  • Brendan Rodgers has dismissed Dave King’s accusation that Celtic’s dependence on Champions League football makes their financial model resemble a ‘pack of cards’. Brendan Rodgers rejects Rangers chief Dave King’s ‘pack of cards’ claim over Celtic finances

    https://bit.ly/2S3sXus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *