Texto do leitor Marcelo Rodrigues: “Lombadas sem lei”

Nosso leitor e morador da região há 16 anos faz uma análise sobre as instalações das lambadas em Barueri e Santana de Parnaíba

É notório que no Brasil em muitos aspectos o Poder Público faz pouco da lei, nos obrigando a viver em constante estado de alerta e indignação frente à frustrante ausência, deficiência e precariedade da contraprestação devida dos impostos que pagamos na forma de saúde, segurança, educação, etc.

Um bom exemplo de má prestação de serviço público é a instalação desenfreada de lombadas em vias municipais pelos órgãos de trânsito de Barueri e Santana de Parnaíba em total e absoluto desacordo com a regulação pertinente.

Muito embora tenham o nobre escopo de evitar acidentes, as lombadas fora das medidas de comprimento e altura regulamentares, instaladas em locais inadequados e em forma de “degrau”, danificam nossos veículos, prejudicam a fluidez do trânsito além de, em certos casos, provocar acidentes.

Não se sabe se é por desleixo, ignorância, descaso ou incompetência ou por todas estas características juntas, as Municipalidades citadas e diversas outras (segundo constatei em rápida pesquisa sobre o tema na internet) insistem em fazer lombadas de qualquer jeito e em qualquer lugar ao arrepio da Lei e das normas que as regulamentam, vejamos algumas dela.

Pra começar, o artigo 94 do Código Brasileiro de Trânsito proíbe a utilização das ondulações transversais e de sonorizadores como redutores de velocidade, salvo em casos especiais definidos pelo órgão ou entidade competente, nos padrões e critérios estabelecidos pelo CONTRAN.

A Resolução nº 39/98 do CONTRAN, por seu turno, dispõe que:

1. A implantação de ondulações transversais nas vias públicas só podem ser colocadas após estudo de outras alternativas de engenharia de tráfego, quando estas possibilidades se mostrarem ineficazes para a redução de velocidade e acidentes (artigo 1º).

2. As ondulações transversais podem ser apenas de 1,50 metro de comprimento e altura de até 0,08 metro (locais com velocidade máxima até 20km/h e onde NÃO circulem linhas regulares de ônibus) ou com 3,70 metros de comprimento e altura de até 0,10 metro, em vias locais com velocidade máxima de 30 km/h ou em vias coletoras.
Além disso, o artigo 8º da mesma Resolução exige, para a colocação de lombadas, que a via simultaneamente, apresente índice significativo ou potencial risco de acidentes, não tenha declividade superior a 6%, curvas ou interferências visuais que impossibilitem boa visualização do dispositivo e, ainda, volume de tráfego inferior a 600 veículos por hora em horários de pico e
pavimento em bom estado de conservação.

Sem tudo isso ao mesmo tempo a lombada é irregular.

Por fim, o artigo 14 da Resolução citada dispõe expressamente que o não cumprimento do que nela disposto pela autoridade de trânsito impõe a adoção de providências para a imediata remoção da lombada.

Como se conclui do confronto entre as normas pertinentes ao tema e nossa experiência diária com a proliferação desenfreada de lombadas irregulares na região, o que temos é mais um triste exemplo de desdém do Poder Público no cumprimento regular de suas funções e da impotência do cidadão prejudicado de na prática impedir ou se defender da ameaça à segurança e ao patrimônio que as lombadas irregulares representam.

Compartilhe
Escrito por
Leia mais de vero

Empreendedorismo

Tattoo do Futuro No que depender um grupo de cientistas da Microsoft...
Read More

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *