Wilson Medeiros: “Desconfiança digital – Sua empresa passa segurança?”

Pesquisa revela que até 2022 a maioria das pessoas em países desenvolvidos consumirá mais informações falsas – as chamadas “Fake News” – do que verdadeiras

Navegar e negociar pelo mundo digital é algo que vem despertando cada vez mais desconfiança nos consumidores. Com os modelos cada vez mais guiados pela voz do cliente, é imperativo transmitir não apenas a agilidade digital de sua empresa, como passar segurança e revelar os investimentos realizados para garantir as transações digitais.

Uma pesquisa recente da Salesforce com 6,7 mil consumidores de 15 países, incluindo o Brasil, mostrou que 62% deles estão confusos em relação à maneira como as empresas usam seus dados pessoais. Um detalhe relevante no caso brasileiro: enfrentamos um sério problema de confiança, pois empresas com origem brasileira só têm mais credibilidade que as de origem mexicana (39% contra 35%, respectivamente). E não para por aí: até 2020, a criação de “realidade falsa”, baseada em Inteligência Artificial (AI), deve superar a capacidade da AI de detectá-la, fomentando a desconfiança digital, segundo revela Pesquisa global da Gartner, Inc.em Symposium Gartner (outubro 2018).

A “realidade falsa” é o que se refere a criação digital de imagens, vídeos, documentos ou sons realistas de coisas que nunca ocorreram ou existiram. A próxima onda dessa distribuição será o conteúdo gerado por máquina, alertam os analistas da pesquisa.

Para se preparar para esse futuro (não muito longe), destaco a seguir 5 tendências que vão nortear o cenário digital até 2022. Vale a pena conferir e aproveitar as oportunidades que elas trazem ao mundo dos negócios:

1.    Em 2021, as marcas pioneiras que redesenharem seus sites para suportar pesquisas visuais e de voz aumentarão as receitas de comércio digital em 30%;

2.    Em 2021, mais de metade das organizações gastará mais por ano em criações de Bots e Chatbots do que com o desenvolvimento de aplicativos tradicionais para dispositivos móveis. Fique de olho nesse recurso;

3.    Até 2022, a maioria das pessoas em países desenvolvidos consumirá mais informações falsas do que verdadeiras, ou “Fake News”. É importante perceber que a extensão do conteúdo criado digitalmente merece ter o “desconfiômetro” ligado;

4.    Em 2021, 40% da equipe de TI serão versáteis, ocupando vários papeis, a maioria mais próxima das áreas de negócios e não de tecnologia. Leia-se desenvolvimento de software, gerenciamento de produtos digitais, projetos e arquitetura de experiência do cliente;

 5. Até 2020, a tecnologia IoT (Internet das Coisas) estará em 95% dos eletrônicos. A combinação de gerenciamento de smartphones, controle de nuvem e módulos de habilitação baratos oferece monitoramento e controle com um custo adicional mínimo nos dispositivos-chave.

A velocidade tecnológica, portanto, pede olhar estratégico. Não há espaço para ausência de investimentos, amadorismo e, tampouco, o método conhecido como “doses homeopáticas”. Ou seja, a qualidade do diagnóstico traduz a dimensão e a magnitude do coquetel de ações. Entre elas, uma poderosa dose do remédio que tenha, como efeito, transmitir segurança digital aos olhos do consumidor.

Compartilhe
Leia mais de Wilson Medeiros

Wilson Medeiros: “A influência do conselho”

O verbo aconselhar tem sido cada vez mais assimilado pelo mundo corporativo, por...
Read More

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *